Quais as taxas do financiamento imobiliário?

Leia em 3 minutos
Taxas financiamento imobiliário
Conheça quais são as taxas do financiamento imobiliário e os detalhes de cada uma. Taxas de juros, imposto e seguros.

Compartilhar Post

Está querendo fazer um financiamento imobiliário, mas ainda está em dúvida sobre as taxas dessa operação?

Pensando nisso, preparamos esse artigo para explicar e esclarecer todas as taxas envolvidas nessa modalidade de crédito imobiliário.

Em resumo, você deve saber quais são as taxas de juros, indexadores, imposto e seguros. Acompanhe a seguir cada uma dessas taxas:

Taxas de juros no financiamento imobiliário

A taxa de juros nada mais é que o lucro que as instituições têm sobre a operação e que recaem sobre linhas de crédito como cartão de crédito, cheque especial, empréstimos, financiamento, consignado, entre outros. A taxa pode ser pré-fixada ou pós-fixada, dependendo de cada produto e também do cliente.

Taxas pré-fixadas

Como o próprio nome já diz, essas taxas já são pré-definidas quando contrata o crédito, ou seja, você sabe exatamente quanto vai pagar mensalmente, sem nenhuma variação de valor na prestação. Portanto, essa taxa não depende do momento econômico do país. Porém, se o seu prazo de pagamento é de até 10 anos, a dica é optar pelas taxas pós-fixadas.

Taxas pós-fixadas

Geralmente essa taxa é mais barata do que as pré-fixadas, porém possui correção monetária conforme a economia, ou seja, é calculado pela inflação. Essa incidência se dá por indexador, sendo assim os mais utilizados no financiamento são IPCATR e Poupança.

Indexadores financiamento imobiliário

TR

A principal vantagem da TR (Taxa Referencial) é a estabilidade, garantindo maior segurança.

Nesta modalidade, os reajustes da TR estão quase zerados desde 2017 e devem permanecer assim. É o indexador mais procurado pela grande maioria, visto seu custo benefício de longo prazo, por ter taxas atrativas e com oscilação pouco agressiva.  

IPCA

Não tem a mesma estabilidade da TR, já que varia conforme o momento econômico do país.

No primeiro momento, o reajuste pelo IPCA parece ser atrativo e mais barato. Outro ponto que chama atenção é que nesta modalidade, alguns compradores poderão apresentar uma renda menor para o financiamento imobiliário.

Poupança

Sofre variação conforme o índice da poupança. A princípio pode parecer atrativo, porém com o tempo as parcelas ficam mais caras.

Assista o vídeo a seguir e confira qual é o melhor indexador entre TR e POUPANÇA:

Imposto (ITBI)

O ITBI ou Imposto de Transmissão de Bens Imóveis é um tributo municipal que deve ser pago para que o comprador de um imóvel consiga colocá-lo em seu nome.

Ou seja, para conseguir formalizar a venda e compra de um imóvel, uma das partes envolvidas deve pagar este imposto.

Para quitar este imposto você precisa ter em mãos documentos como: contrato de compra e venda, comprovante de pagamento e um formulário municipal que varia de cidade para cidade.

Ainda em tempo, de acordo com a constituição federal, o ITBI se destina para contratos “Inter vivos”. Isto é, para pessoas físicas. Em caso de pessoas jurídicas, heranças e doações, as regras são outras.

A legislação federal não deixa claro se cabe ao vendedor ou ao comprador pagar por este tributo.

Dessa forma, cabe a cada prefeitura ter uma legislação específica sobre o tema e delimitar quem deve pagar.

Apesar de ser possível fazer um acordo entre as partes e cada uma pagar metade, por exemplo, em geral é o comprador do imóvel que fica responsável por quitar o ITBI.

A legislação municipal determina se o tributo precisa ser quitado após a lavratura da escritura ou após o registro da escritura. Por isso, consulte sua prefeitura para ter acesso a essa informação.

Seguros

Tanto no SFH como no SFI existem dois seguros obrigatórios: MIP (Morte e Invalidez Permanente) e o DFI (Danos Físicos ao Imóvel).

MIP

O MIP garante que o imóvel será quitado adequadamente caso ocorra algum sinistro por morte ou invalidez permanente. Calcula-se o seguro mensalmente e ele aumenta conforme a idade do dono do imóvel.

DFI

Já o DFI cobre casos de sinistro que podem ser alagamentos, incêndios, desmoronamentos, sendo concedido o valor para recuperação conforme o dano. Isso garante ao banco que o imóvel não perca seu valor e ao cliente o conforto de contar com o seguro em caso de danos físicos.

Tem interesse no financiamento imobiliário?

Simule aqui

Subscribe To Our Newsletter

Get updates and learn from the best

destaques

Quero comprar

um imóvel.

Quero empréstimo
usando meu imóvel.