IPCA-15 de outubro registra inflação de 0,16%

Leia em 2 minutos
Inflação 2022
O IPCA-15 de outubro registrou alta na inflação após dois meses consecutivos de deflação. Saúde e transporte causaram maior impacto

Compartilhar Post

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo 15) registrou inflação de 0,16% em outubro, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O IPCA-15 é a prévia da inflação que leva em consideração 465 subitens de produtos e serviços, analisando a inflação para famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos.

A principal influência veio dos preços dos planos de saúde, que subiram 1,44% no mês, após a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) autorizar reajustes no setor.

Outro fator foi a alta no grupo de alimentação e bebidas, que havia caído no mês passado.

A alta vem após dois meses consecutivos de deflação. O acumulado do índice em 2022 é de 4,8%, e o dos últimos 12 meses, 6,85%. Em setembro, o índice foi de -0,37%.

Saúde e transporte causaram maior impacto

Os grupos que mais impactaram a prévia da inflação no mês foram saúde (+0,8%) e transportes (-0,64%).

Apesar do último grupo ter registrado deflação, a diminuição foi menor que a registrada nos dois meses anteriores, prejudicando o resultado.

Além disso, o preço das passagens aéreas disparou 28,17% em comparação a setembro.

Os preços dos quatro combustíveis pesquisados caíram:

  • Etanol (-9,47%);
  • Gasolina (-5,92%);
  • Óleo diesel (-3,52%);
  • Gás veicular (-1,33%).

Esse fator ajudou a segurar a inflação. Por outro lado, os preços das passagens aéreas saltaram 28,17% em outubro, depois de terem subido 8,20% em setembro.

Entre as altas, o maior impacto foi do grupo de saúde, com os planos de saúde subindo 1,44%, e os itens de higiene pessoal, 1,1%.

Veja os resultados por grupo:

  • Vestuário (1,43%);
  • Saúde (0,8%);
  • Despesas pessoais (0,57%);
  • Habitação (0,28%);
  • Alimentação e bebidas (0,21%);
  • Artigos de residência (-0,35%);
  • Comunicação (-0,42%);
  • Transportes (-0,64%).

Preço da alimentação subiu

Após recuar em setembro, o grupo de alimentação e bebidas subiu, com alta na alimentação dentro e fora do domicílio (0,14% e 0,37%, respectivamente).

Sendo assim, os alimentos que mais subiram foram:

  • Frutas (4,61%);
  • Cebola (5,86%);
  • Tomate (6,25%);
  • Batata-inglesa (20,11%).

Já o leite longa vida (-9,91%) e o óleo de soja (-3,71%) registraram queda.

Agora vamos aguardar o IPCA, índice oficial da inflação que será divulgado no início do mês de novembro.

Subscribe To Our Newsletter

Get updates and learn from the best

destaques

Quero comprar

um imóvel.

Quero empréstimo
usando meu imóvel.