Startups brasileiras atraem investidores estrangeiros

Leia em 2 minutos
Investimentos Startups agosto 2022
Startups brasileiras recebem altos aportes de investidores estrangeiros. Saiba como são as rodadas de investimentos

Compartilhar Post

Startups brasileiras estão atraindo cada vez mais investidores estrangeiros. De janeiro a abril, participaram de 39% das 238 rodadas, no ano passado a participação foi de 33% no mesmo período.

Sendo assim, gestoras dos Estados Unidos, Alemanha e Japão são as que mais fazem investimentos no Brasil, principalmente em grandes operações. Com isso, as captações acima de 50 milhões de dólares tiveram 90% de participação de gestoras internacionais. Relatórios apontam que nos últimos 5 anos, dois terços do capital investido vieram do exterior.

Em 2021, um fundo japonês liderou 5 rodadas de investimentos, criando unicórnios como MadeiraMadeira, Unico, Merama, frete.com e Mercado Bitcoin.

Sobretudo, as startups mais requisitadas pelos estrangeiros são fintechs, retailtechs e healthtechs.

Como funcionam as rodadas de investimento?

Basicamente, os investidores oferecem dinheiro em troca de participação acionária no negócio. Alguns investimentos permitem permuta ou troca de conhecimentos por participação, mas não é comum.

As rodadas são divididas em séries e a classificação que as acompanha tem a ver com o estágio da startup:

  1. Investimento Anjo: essa primeira rodada de investimento é utilizada para testar a tese, montar o time inicial e desenvolver um MVP (minimum viable product). Geralmente é composta por pessoas físicas (família e amigos) e pequenos investidores profissionais. O volume de investimentos, no Brasil, costuma ser de até R$ 700 mil.
  2. Investimento semente (Seed): gera fundos que apoiam o trabalho inicial de pesquisa como descobrir o que o produto será e quem serão os usuários ou consumidores. Esse dinheiro também ajuda a montar uma equipe mais profissional, já que até essa fase muitos empreendedores estão trabalhando sozinhos ou com pouquíssimos colaboradores. O aporte de capital varia entre R$ 700 mil a R$ 2 milhões.
  3. Series A: nessa fase a base de usuários é otimizada e cria-se novas ofertas de produtos e serviços, dimensionando o produto em diferentes mercados. Desse modo, a startup deve ter um plano de negócios que gere lucro a longo prazo. São investidos de R$ 2 milhões a R$ 20 milhões.
  4. Series B: nessa etapa, investidores se propõem a contribuir para escalar o negócio, expandindo o alcance de mercado da startup, além do aprimoramento de processos, novas contratações e até mesmo adquirindo outras empresas. O investimento pode chegar às dezenas de milhões.
  5. Series C: o objetivo do investimento é acelerar a empresa em todos os aspectos, lançando-a no mercado internacional e/ou adquirindo novas companhias. Empresas maduras e de alto potencial são o foco principal dos investidores nessa fase, já que eles têm a intenção de receber mais que o dobro da quantia de volta.

Assim sendo, startups brasileiras continuam atraindo investidores, já que o Brasil tem uma grande relevância nesse ecossistema. Empresas de Venture Capital estão sempre em busca de inovação e muitas startups brasileiras estão dentro do que os investidores procuram.

Subscribe To Our Newsletter

Get updates and learn from the best

destaques

PIB EUA

PIB dos EUA sofre queda

Leia em < 1 minutos O PIB dos EUA foi divulgado e registrou queda no segundo trimestre de 2022

Previsão inflação 2023

Previsão de inflação 2023

Leia em 2 minutos O Copom divulgou uma nova previsão da inflação para 2023 e 2024. Além disso, o Banco Central não descarta novo aumento da Selic.

Quero comprar

um imóvel.

Quero empréstimo
usando meu imóvel.